Google+ Badge

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

VENDA VALOR

FUJA DO PREÇO. VENDA VALOR! -
Uma das decisões mais difíceis a serem tomadas em vendas, sem dúvida, é a formulação do preço. O que é um preço justo? O cliente aceitará pagar? São algumas das questões que tiram o sono de qualquer gestor comercial.

Como podemos nos diferenciar no quesito preço e tentar justificar nosso valor de maneira a convencer o cliente que comprar da nossa empresa é um excelente negócio?

Mas antes vamos ver o que diz a teoria sobre formação de preços. Entre as inúmeras que existem decidi usar como fonte de referência as do autor Philip Kotler. Segundo Kotler as técnicas mais utilizadas são:

- Determinação de preço orientada para os custos. Neste caso a empresa forma seu preço levando em consideração os custos diretos e indiretos de fabricação e determina uma margem de lucro. Essa margem é chamada de markup e varia de mercado para mercado.

- Determinação de preço orientada para a demanda. Aqui entra a velha e boa "lei da oferta e da procura". Tem demanda e pouca oferta o preço sobe. Tem mais oferta do que demanda o preço cai. Nesta teoria entra o valor percebido pelo cliente na relação "custo versus benefício."

- Determinação de preço orientada para a concorrência. A preocupação é se nossos produtos ou serviços estão caros ou baratos em relação aos nossos concorrentes. Caso o seu produto não tenha algo diferente a oferecer e for igual aos demais o fator decisivo para o cliente tende a ser o preço. Por que pagar mais por algo que todo mundo oferece?

A essa altura do campeonato você deve estar pensando: - E aí, qual o melhor modelo? A resposta é simples: não tem melhor ou pior, mas sim as circunstâncias de mercado que a sua empresa está vivendo em determinada linha de produto.

É preciso equilibrar as três teorias: ninguém quer vender por um preço mais baixo do que custou, deve haver procura pelo produto e ter preço compatível com a concorrência.

Por isso é preciso criar uma percepção de valor junto à equipe de vendas para que os mesmos repassem isso a seus clientes. É a comunicação com o cliente que cria uma imagem de valor, que convence o seu João a pagar um pouco mais pelo o meu produto.

Quando falo em comunicação estou falando das ações de Marketing que englobam a qualidade da sua propaganda e material como catálogos, folders e ações de merchandising entre outras dezenas de outras atividades e também a forma de abordagem que a sua equipe de vendas utiliza com o cliente.

A forma com que o gestor se comunica com a sua equipe faz toda a diferença no processo. Treinar os vendedores a sair "fora da caixa". Saber argumentar, mostrar o valor do produto, usar planilhas com resultados de testes, promover testes com o cliente, enfim ser o maior defensor da venda do valor e não do preço. Caso o preço seja compatível com a concorrência e existem diferenças que podem ser percebidas pelo cliente a empresa pode e deve vender por um preço superior ao da concorrência até por que isso cria uma percepção de maior qualidade dos nossos produtos.

A equipe de vendas que está no mercado fica muito exposta ao quesito preço e faz a venda sempre com a tabela na mão. O comprador sempre tende a querer o preço mais baixo, fazer leilão e não raro tentar depreciar o seu produto em detrimento da concorrência.

De tanto passar pelas situações acima o vendedor acha que o que vende é só o preço e de que não adianta argumentar ou mostrar o valor, pois o danado do cliente quer sempre levar vantagem.

Cabe ao vendedor mudar sua comunicação com o cliente e ter uma nova postura que deve envolver os seguintes pontos:

Aumentar o seu nível de relacionamento com o cliente. Conhecer mais o negócio do cliente, os clientes do cliente, trazer mais ideais e sugestões que melhorem o desempenho do cliente.

Aumentar o seu conhecimento técnico em relação aos produtos. Ainda fico pasmo com a quantidade de vendedores que não estudam os manuais, catálogos e não investem em capacitação técnica, como se a obrigação de oferecer essa capacitação fosse só da empresa. Pensam que sabem tudo ou que as experiências do passado são garantia do sucesso no futuro. Confundem amizade com fidelidade. Ledo engano...

Demonstrar comprometimento e dedicação ao cliente. O cliente é quem paga o seu salário. É o seu ganha-pão e de onde sairá o capital para realizar os seus sonhos. Demonstre comprometimento para com as metas do cliente. A maioria dos profissionais de vendas nem sequer sabe quais metas o cliente deseja atingir. Dedique-se ao seu cliente, traga soluções, novidades, venda seu mix, deixe claro que você é o "cara" com todo o respeito que o seu concorrente merece.

Ao agir assim pode ter certeza que o assunto "preço" irá migrar para "valor", que prazos e formas de pagamento serão meros detalhes de quem precisa comprar de você.

Acredito com forte convicção que preço é argumento de quem não tem argumento.  Quais são os seus argumentos para que o cliente pague o valor merecido pelos seus produtos?

TEXTOS PARA REFLETIR

Pérolas de Vendas


Por Paulo Araújo

Convenção de vendas é um grande barato!

Convenções oferecem oportunidades de rever e fazer amigos, aprender novos conceitos e técnicas. São momentos que nos permitem relembrar tudo aquilo que sabemos e quase nunca fazemos, mas prometemos que a partir dali tudo será diferente. Assistimos a inúmeras apresentações de fornecedores, bem como sobre suas inovações e argumentos de vendas. Participamos de palestras e treinamentos que nos reciclam e desenvolvem como profissionais. As melhores partes de uma convenção são as apresentações das novas campanhas de premiação com realização de sorteios e fica melhor ainda quando ganhamos alguma coisa. Convenções de vendas são momentos mágicos, únicos... Mas o que eu mais gosto mesmo é de estar nas populares rodinhas de conversa em volta das mesas de coffee break, onde posso ouvir e aprender com colegas vendedores. E nesses anos todos, atendendo empresas em seus eventos, colecionei algumas frases que desejo agora compartilhar com você. Eu as chamo de Pérolas de Vendas. Frases fantásticas, algumas de uma simplicidade e verdade tamanhas que chegam a assustar, além de serem muito divertidas.

1. “Se você não faz parte da solução, faz parte do problema!” – Essa é normalmente dita por gerentes, ao darem aquele recadinho de forma indireta aos que não atingem as metas. Vamos esquecer o lado ameaçador da coisa (a famosa degola!) e pensar nesta frase pelo lado positivo. A pergunta que você tem que se fazer todos os dias é: Em que eu estou ajudando meu cliente? A reduzir custos, a aumentar a lucratividade, a qualidade ou produtividade? Eu agrego valor à empresa em que trabalho? Esteja sempre do lado da “solução”.

2. “Depois que inventaram o ‘tá ruim’, ninguém mais disse ‘tá bom! ’” - Essa é ótima! Quando você visita o cliente e pergunta como andam os negócios, a resposta é quase sempre a mesma: “Tá fraco”, “tá ruim” ou “já esteve melhor”. O impressionante é que o país está crescendo. Ano após ano as vendas aumentam e eu nunca encontro alguém que diz: “Tá bom demais!” Não pergunte ao seu cliente se seus negócios vão bem, pergunte se gostaria de ajuda para vender mais.

3. “Quem pede recebe, mas quem se desloca tem preferência!” – Dizem que o autor da frase é Gentil Cardoso, ex-técnico de vários clubes cariocas, como Flamengo e Botafogo. Muitos acreditam que foi um dos descobridores de Garrincha. Aqui a explicação é simples: seja pró-ativo, não espere e faça acontecer. Inove, prospecte, crie oportunidades.

4. “Sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem entrega flores!” – Essa é linda! Chegue sempre com um belo sorriso, bem disposto, apresentável e com um interesse genuíno em resolver os problemas do cliente. Esqueça a comissão e pense na solução. Dinheiro sobrando é sempre conseqüência de um bom trabalho realizado.

5. “Para vender bem tem que ter preço e produto bom!” – Essa de tão óbvia chega a doer. Mas este é um dos princípios da competitividade, ou seja, qualidade e preço compatível com o que o mercado oferece. Pode também ser uma boa desculpa para quem não atinge as metas ou um alerta quando muita gente diz isto para você. O fato maior é que se toda empresa tivesse o melhor produto e o menor preço, não precisava de vendedor, bastava ter um excelente call center e uma boa mídia no mercado, que o produto se vendia sozinho. É para isso que existem os profissionais de vendas. Para mostrar o quanto você, sua empresa e seus produtos podem contribuir com o crescimento do seu cliente.

6. “Fé em Deus e pé na tábua!” – Quem tem fé vai mais longe, levanta com firmeza quantas vezes for necessário e sabe que nunca está sozinho. Agradeça sempre ao Criador pelo trabalho que você tem e pelos clientes que atende. Ao entrar em qualquer lugar, seja para fazer uma venda, pós-venda ou até mesmo no concorrente, peça em silêncio que Ele abençoe a casa e as pessoas que lá estão. Deseje de coração muita saúde, paz e prosperidade ao próximo. Você vai perceber que adquirindo este hábito, receberá sempre em dobro. Afinal, você merece nada menos do que o melhor. É o que eu lhe desejo!

VÍDEO - VENDEDOR INSISTENTE

Ser insistente tem suas vantagens, mas sempre com moderação...

DÚVIDAS FREQUENTES - AQUECEDORES LORENZETTI

Dúvidas Freqüentes - Aquecedores


 

Qual tipo de gás pode ser usado nos Aquecedores de Água a Gás Lorenzetti ?
Os tipos de gás são: GN – Gás Natural, também conhecido popularmente como Gás Encanado e GLP – Gás Liqüefeito de Petróleo, também conhecido popularmente como Gás de Botijão e o GM – Gás Manufaturado. Verifique o tipo de gás de sua residência antes de comprar seu aquecedor.

Qual a diferença entre exaustão natural e exaustão forçada?
Exaustão Natural – O aquecedor de água a gás com exaustão natural possui defletor interno projetado para exaustão dos gases queimados através do arraste natural. Exaustão Forçada – A exaustão dos gases queimados da combustão é realizada por uma ventoinha interna. Isto facilita a instalação do sistema de exaustão devido o diâmetro reduzido da chaminé, tornando-o mais seguro.

Como aciono o acendimento do meu Aquecedor de Água a Gás Lorenzetti ?
Os Aquecedores de Água a Gás Lorenzetti são automáticos, isto é, ao abrir o registro de água quente, o aquecedor é acionado automaticamente
.
Os Aquecedores de Água a Gás Lorenzetti possuem dispositivos de segurança ?
Sim, possuem sensor de chama que corta o gás em caso de ausência de chama e termostato de segurança que desliga o aquecedor em caso de superaquecimento.

Como é alimentação de energia dos Aquecedores de Água a Gás Lorenzetti ?
Os aquecedores a gás com exaustão natural, LZ 700, L8, LZ 900, LO 1800 e LZ 2200 , são alimentados através de duas pilhas ( 1,5 - tipo D ) . Os aquecedores a gás com exaustão forçada, LZ 2200 EF e LZ 2500 D, necessitam de energia elétrica para seu acionamento e ambos são bivolt ( 127 volts ou 220 volts ). Verifique o ajuste do aparelho antes da instalação

De quanto em quanto tempo devo fazer manutenção preventiva no meu aquecedor de água a gás? Recomenda-se a visita de um SAL – Serviço Autorizado Lorenzetti uma vez por ano para limpeza e vistoria do equipamento e instalações.










domingo, 25 de outubro de 2009

O LÍDER

Os Doze Pratos (Liderança)

pratos Certo príncipe orgulhava-se de sua rara e antiga coleção de porcelana que era formada por doze pratos de grande beleza artística e decorativa. Um dia o seu cuidadoso zelador, em momento de infelicidade, deixou que se quebrasse um dos pratos.
Quando o príncipe ficou sabendo ficou furioso, e condenou à morte o dedicado servidor que fora vítima de uma circunstância fortuita.
A notícia se espalhou pelo Império, e às vésperas da execução do desafortunado servidor, se apresentou um sábio idoso que se comprometeu a deixar a coleção com os doze pratos iguais novamente, se o servo fosse perdoado.
O príncipe reuniu sua corte e aceitou a oferta do ancião, que solicitou que fossem colocados todos os pratos restantes sobre uma mesa coberta por uma toalha de linho, e que os pedaços do prato quebrado fossem espalhados em volta do móvel.
Quando tudo estava pronto, o sábio acercou-se da mesa e num gesto inesperado, puxou a toalha com os pratos restantes, que se arrebentaram ao cair sobre o piso de mármore.
O príncipe e toda a corte olhavam chocados, sem saber o que dizer, quando o sábio disse serenamente:
- Senhor, aí está sua coleção com todos os pratos iguais conforme prometi. Agora também pode mandar me matar, já que essa porcelana vale mais do que a vida de seres humanos, e considerando que sou idoso e já vivi além do que esperava, sacrifico-me em benefício daqueles que provavelmente iriam morrer no futuro quando quebrassem algum prato.
Passado o choque, o príncipe emocionado e comovido, libertou o velho sábio e o zelador, compreendendo que nada é mais precioso do que a vida.
.
Não somos príncipes e tampouco estamos em um Império, mas muitas vezes valorizamos mais as coisas do que o ser humano; damos mais importância a tarefas e processos do que às pessoas que os executam. Sem perceber, priorizamos o “ter” ao “ser”.
Em um mercado cada vez mais globalizado, complexo e competitivo, estamos muitas vezes tão profundamente envolvidos com os negócios e seus resultados, que negligenciamos as pessoas, causando angústia, frustração, falta de credibilidade e decepção em todos os níveis das organizações.
É por isso que não basta ser gestor, é preciso ser líder. Um líder que enxergue e aceite as pessoas como elas são, tratando-as com respeito e dignidade, independentemente de raça, níveis hierárquicos ou sociais, e religião. Alguém que priorize o ser humano, que promova o desenvolvimento das pessoas e da equipe, que projete uma visão compartilhada, e que dê feedback honesto; consciente de que todas as conquistas são fruto do trabalho em equipe.
.

VÍDEO- ACIDENTE DE TRABALHO

Na Saint-Gobain este tema é tratado com o devido respeito. Todas empresas deveriam pensar o mesmo. 
Fica o alerta. 

DÚVIDAS FREQUENTES - CAIXAS D´AGUA






Como devo proceder para instalar minha caixa d’água em Polietileno?
As caixas d’água de polietileno tem a vantagem da facilidade de sua instalação por serem leves e possuírem boa ancoragem e boa durabilidade.
Verifique se a superfície onde será instalada a caixa d’água, é lisa plana e sem qualquer irregularidade. Se for assentada diretamente sobre a laje, cuidado com pedras, pontas de ferro, etc.
Fure a caixa nos pontos apropriados para essa finalidade utilizando serra-copo compatível com o diâmetro das flanges. A furação também poderá ser feita com broca fina através de sucessivos furos sobre a circunferência do diâmetro desejado e posterior acabamento com lixa fina. Utilize flanges com anel de vedação de borracha.
No caso das caixas de polietileno, por possuírem paredes lisas, as gotas de água resultantes do fenômeno da condensação (contato da umidade do ar com a parede fria da caixa d’água) escorrem e ficam acumuladas na base da caixa. Isto pode acarretar danos em forros de madeira, umedecer a laje e danificar a pintura. A solução é ventilar o local e evitar que o ar quente e úmido (confinado entre o telhado e o forro) entre em contato com a caixa.

Como devo proceder para instalar minha caixa d’água em Fibrocimento?
Antes da instalação, verifique se a caixa está em perfeito estado: Molhe as paredes internamente e externamente e veja se não aparecem trincas. Amarre a caixa com cordas separadas por um calço para erguê-la.
A caixa deve ser assentada sobre superfície plana e nivelada ou sobre 2 vigas de madeira. No caso de caixas retangulares, fure nos pontos marcados (rebaixados) utilizando ferramentas adequadas (utilize, preferencialmente, brocas para metal). Se for necessário a abertura de orifícios maiores, faça uma série de furos em círculo e retire o pedaço cortado com a ajuda de um martelo. Dê acabamento com uma grosa.
Instale as tubulações nos locais onde foram abertos os orifícios (selos de rompimento ou nas bordas de reforço, nunca no fundo ou na parede central). Fixe a tampa com fixadores de tampa colocados ao meio de cada um dos lados maiores da caixa (a tampa não deve ser perfurada, mas fixada com os parafusos dos fixadores). No caso da necessidade de vedação total, aplique espuma adesiva de PVC na borda da caixa de água (a espessura não deve ultrapassar 1 cm).
Para realizar cortes ou furar caixas de fibrocimento com ferramentas elétricas, não se esqueça de utilizar a máscara e demais acessórios de proteção. No caso de armazenamento de água agressiva (água de poço), pinte a caixa internamente com tinta betuminosa que não altere a potabilidade da água (consulte o fabricante).

Como devo efetuar a limpeza da minha cx. d’água?
O processo de limpeza e manutenção da caixa d’água, deve ser efetuado no mínimo 2 vezes por ano. A execução é simples e não necessita da contratação de um profissional especializado.
1 - Feche o registro, impedindo a entrada de água na caixa ou amarre a bóia.
2 - Utilize toda a água armazenada.
3 - Quando a caixa estiver quase vazia, tampe a saída para que a água que restou seja usada na limpeza e para que a sujeira não desça pelo cano. Limpe as paredes e o fundo da caixa.
4 - Use somente panos e escova macia para a limpeza.
5 - Nunca use sabão, detergente ou outros produtos.
6 - Retire a água e o material que restaram da limpeza, usando balde e panos, deixando a caixa totalmente limpa.
7 - Encha a caixa e acrescente 1 litro de água sanitária para cada 100 litros de água. Espere 2 horas, feche a entrada de água e esvazie a caixa. Esta água servirá para limpar e desinfetar os canos.
8 - Tampe a caixa d’água para que não entrem pequenos animais ou insetos.
9 - Anote, do lado de fora da caixa, a data da limpeza.
Finalmente abra a entrada de água. Esta água já pode ser usada.

Qual a temperatura máxima suportada pela caixa d’água de polietileno?
Para o armazenamento de água a temperatura máxima é de 70ºC; no caso de outros líquidos consulte nosso Departamento de Atendimento ao Cliente.

Como devem ser feitas as ligações hidráulicas das tubulações?
Os furos para as tubulações devem ser feitos com serra-copo, broca ou outra ferramenta, de acordo com as recomendações do fabricante.
As tubulações de alimentação e de extravasão (ladrão) devem ser instaladas na parte superior da parede lateral da caixa d’água, nos pontos indicados pelo fabricante.
A tubulação de alimentação deve ser equipada com torneira de bóia ou qualquer outro dispositivo com a mesma função no controle da entrada da água e manutenção do nível desejado.
As tubulações de saída e de limpeza devem ser instaladas no ponto mais baixo possível da parede lateral da caixa d’água, conforme indicação.
Todas as tubulações devem ser instaladas em posição perpendicular às paredes laterais da caixa d’água.

É necessário a utilização de tirantes nas caixas d'água de polietileno?
Se a caixa for instalada ao ar livre, deve-se fixá-la na base de assentamento com tirantes.

Minha cx. d’água está úmida/suando/gotejando. Onde errei?
Este fenômeno é resultado de “condensação”. As paredes frias da Caixa d’água em contato com o ar quente do ambiente fazem a caixa “gotejar”, como um copo de água gelada no verão.
É preciso ventilar o local. Em alguns casos, a aplicação de impermeabilizantes (base acrílica) pode ajudar no processo.

Posso reparar trincas em minha caixa d’água?
Não. Não existe maneira de devolver as características do fibrocimento. Alguns produtos podem até ser utilizados, entretanto, a pressão da água será forte o bastante para aumentar a trinca ou até mesmo romper a caixa. Nestes casos a solução é trocar a caixa d’água.

É realmente necessário realizar testes no solo antes de iniciar a instalação da caixa d’água ?
Sim. Procedendo desta maneira é possível detectar eventuais defeitos antes dela estar locada, o que causaria maiores transtornos para sua substituição.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

TEXTOS PARA O DIA-A-DIA

O Segredo? Eu Também Tenho Um!

Luiz de Paiva

Nos últimos tempos temos ouvido muito falar de segredos para o sucesso, seja na carreira, na empresa ou na vida pessoal. Além de um livro muito famoso sobre o tema, vemos muitos outros (livros, autores e palestrantes) que oferecem a chave mágica para atingir o que cada um quer.
Bom, resolvi entrar na moda… também vou divulgar um segredo irrefutável sobre como atingir o sucesso, a felicidade, o amor, dinheiro, fama e fortuna. Aqui vai: NÃO HÁ SEGREDOS!!! (silêncio…)
Sabem por que não há um segredo? Porque um segredo é algo que poucas pessoas sabem. No entanto, todos nós conhecemos as receitas para ser bem-sucedido. Dúvida do que estou dizendo? Então vamos lá:
Em sua carreira, você deve ser proativo, se preocupar constantemente em estar atualizado, trabalhar em seu networking com colegas e profissionais fora da empresa, entender e atender às expectativas dos chefes e tratar com respeito, orientar e apoiar seus subordinados.
Se você tem uma empresa, deve contratar e treinar uma equipe eficiente, criar bons produtos e serviços, caprichar no atendimento ao cliente, investir corretamente em marketing e cuidar de suas finanças.
Agora pense… eu falei alguma novidade? Acredito que tudo isto é de conhecimento da maior parte dos profissionais e empresários. Então, onde está a dificuldade em atingir o sucesso?
A dificuldade está em que nem sempre fazemos o que sabemos que é correto. As causas são diversas, passando por preguiça, falta de foco, excesso de trabalho, pressões externas, gerenciamento ineficiente, simples esquecimento, etc.
Portanto, poderíamos dizer que o segredo é fazer o que sabemos que é correto. Mas isso também não é novidade, todos estamos cientes que devemos fazer isso.

Que fique claro, não estou dizendo que os “segredos” divulgados por diversos autores não são válidos. Muito pelo contrário, eles são peças fundamentais para montar o quebra-cabeças do sucesso. A atitude positiva e mentalização das metas, por exemplo, são uma força essencial para que a pessoa consiga tomar as ações corretas e seguir adiante quando as dificuldades surgirem.
A questão é que os resultados não dependem de um ou outro fator. Dependem de uma complexa combinação na qual há inúmeras situações possíveis. Devemos nos preparar, nos relacionar, entender, aprender, lutar, estudar, liderar e seguir, para que cada fator contribua positivamente para nossa própria definição de sucesso.

QUADRINHOS - O MUNDO CORPORATIVO







ATENDIMENTO AO TELEFONE

Vídeo clássico de humor sobre atendimento ao telefone. Engraçado se não fosse trágico. 

KDT - DÚVIDAS MAIS FREQUENTES

1. A Ducha Digital KDT consome muita energia ?
A “tecnologia exclusiva KDT” faz a DUCHA ser a mais econômica do Mercado, pois faz a “leitura” de qual a temperatura da água de sua residência naquele dia, e libera somente a energia necessária para complementar o aquecimento da água até chegar à temperatura de banho que você escolheu.
Exemplo: a água encontra-se a 25ºC, e você deseja um banho com 36ºC. Será consumida somente a energia para aquecer este diferencial de 11ºC.

2. Posso utilizar a Ducha Digital KDT junto a outros tipos de aquecimento ?
Sim. Através do Controle Remoto Digital podemos programar a temperatura ideal para o banho e a Ducha KDT só funcionará quando a temperatura da água proveniente de outro Sistema de Aquecimento estiver menor que a temperatura programada. Esta é aliás , a melhor opção de instalação, pois haverá uma redução expressiva no consumo de energia.

3. Qual o risco de choque ao utilizarmos o Controle Remoto ?

Nenhum, pois a tecnologia Digital KDT transforma para o Controle Remoto 5V corrente contínua ( metade da carga de uma bateria de relógio). Portanto, não há nenhum risco ao utilizá-lo, mesmo com as mãos molhadas.

4. Existem duchas para alta e baixa pressão ?

A Ducha Digital KDT pode ser usada tanto para baixa como para alta pressão. Seu funcionamento está adequado para pressões de 1 m.c.a. a 40 m.c.a.

KDT - PARCEIRO IDEAL PARA SEU AQUECEDOR SOLAR

  Quando instalado junto com o aquecedor Solar, o produto KDT (digital ou eletrônico) somente ligará automaticamente se o aquecedor solar não for capaz de aquecer a água na temperatura que você escolheu. Quando acionado, o KDT somente consumirá a energia necessária para igualar a temperatura da água que está no boiler de seu aquecedor solar com a temperatura que você programou para seu banho no controle de temperatura KDT.



Ex: Se no boiler do aquecedor Solar a água se encontra a 30º C e você escolheu tomar um banho a 37ºC ,a tecnologia KDT vai detectar que a diferença é de 7ºC e vai utilizar somente a potência(energia ) necessária para aquecer a água em 7ºC durante o tempo de banho , diferentemente da resistência elétrica do aquecedor solar ,que gastará energia para aquecer todo o volume de água do boiler.
Esta é a razão pela qual a KDT é a melhor parceira do aquecedor Solar, formando com ele o sistema mais econômico, prático e confortável do mundo.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

PÉROLAS DE SABEDORIA : FUNDAMENTAIS PARA UMA VIDA MELHOR E MAIS PRODUTIVA


Citações



“Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo” (Mark Twain)

 A melhor maneira de se prever o futuro é criá-lo"

"ou você é a estrada ou é o trator"

"Uma organização que visa o lucro é, não apenas falsa, mas também irrelevante. O lucro não é a causa da empresa, mas sua validação. Se quisermos saber o que é uma empresa, devemos partir de sua finalidade, que será encontrada fora da própria empresa. Essa finalidade é: CRIAR UM CLIENTE."

“O homem que não lê não tem mais mérito que o homem que não sabe ler” (Mark Twain)


“A máquina pode substituir 100 pessoas comuns. Nenhuma máquina pode substituir uma pessoa criativa.” (Elbert Hubbard)

“Aquele que tentou e não conseguiu é superior àquele que nada tentou.” (Bud Wilkinson)

“Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos pequenos começos.” (Lao Tzu)

“Escolha um trabalho que você ame e não terá que trabalhar um único dia em sua vida.” (Confúcio)

“O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.” (Albert Einstein)

“Se quiser ter uma boa idéia, tenha uma porção de idéias.” (Thomas Edison)

HUMOR - FUGINDO DO CHEFE!

Quem já teve um assim?

QUAL SUA MISSÃO?

A Importância de Se Ter Uma Missão


“É necessário que o mundo depois de ti seja algo melhor porque tu viveste nele”. (Stanley)

Vejo muitas pessoas e organizações que não têm uma missão, não possuem uma razão para viver. Aí não sabem como agir quando a situação exige alguma mudança ou quando ficam sozinhos. É fundamental responder à pergunta: qual é o propósito de se permanecer vivo? A resposta a essa pergunta será sua missão.

Um dia escutei essa frase do Stanley, citada no início desse artigo, e a achei maravilhosa. A partir daí passei a pensar no que poderia fazer para que o mundo fosse melhor. Com o passar dos anos fui vendo que primeiro precisava mudar a mim mesma, tornar-me uma pessoa melhor e, hoje acredito, que até morrer buscarei melhorias em meu comportamento e em minhas atitudes. Quero desenvolver e valorizar minhas virtudes e minimizar meus defeitos. Acredito que o maior desafio do ser humano seja melhorar continuamente.

Precisamos encontrar um sentido melhor para nossas vidas, podemos, por exemplo, aprender a amar melhor, a sermos menos egoístas. Precisamos economizar mais em prol do meio ambiente, agirmos menos segundo a “lei de Gerson”, parar de dar um jeitinho em tudo. É bom aprendermos a respeitar mais o próximo, tratar as pessoas com mais educação, melhorar nossos relacionamentos.

Quando temos consciência de que através do trabalho estamos realizando algo para cumprir nossa missão nos motivamos e desenvolvemos uma força extra, capaz de nos mover rumo ao “cume da montanha”. Assim, as dificuldades encontradas serão como simples pedras no meio caminho.

Pessoas como Mahatma Ghandi, Irmã Dulce, Nelson Mandela e Madre Tereza de Calcutá lutaram com todas as suas forças para cumprirem suas missões. Era o que os levava a não desistir nunca, a resistir a qualquer tipo de pressão. Podemos não ter uma missão tão nobre como a dessas pessoas, mas é importante que encontremos um sentido para nossa existência.

Para atender meu desejo de fazer desse um mundo melhor, ajudo a motivar os profissionais mostrando a importância de agirem de forma ética e a aumentarem cada vez mais suas competências. Acredito que assim teremos empresas melhores e possivelmente cidades melhores e isso fará desse um mundo melhor.

Além de escrever uma missão bonita é preciso lutar por ela. É importante também divulgar a missão para, assim, outros poderem te ajudar a atingir seus propósitos. Nas organizações além de definir a missão é preciso comunicá-la a todos os colaboradores e verificar se a entenderam, caso contrário serão como simples máquinas, executando o que lhes é indicado, mas sem saber por que nem para quê. Veja alguns exemplos:

Os funcionários de uma empreiteira trabalhavam felizes porque não estavam simplesmente construindo uma nova estrada. Estavam levando o progresso para uma pequena cidade do interior.


Ajudantes de pedreiros cantavam enquanto trabalhavam porque não estavam fazendo e carregando concreto, estavam construindo uma escola e ajudariam a melhorar a educação dos jovens daquela cidade. Enquanto um pedreiro coloca um tijolo na parede outro constrói uma catedral.


Procuro fazer a minha parte porque acredito que se cada um fizer o que estiver a seu alcance, teremos sim um mundo melhor de se viver. E você já tem sua missão? Está agindo de acordo com ela? Ou é uma missão só para os outros verem?

PROPAGANDA CLÁSSICA

Está é uma da clássicas e que deu início ao tema: Fuja do mico! Grande marca, grande idéia.

PROPAGANDA ANTIGA TIGRE

Marca que sempre investiu muito em marketing, inovação e qualidade do seus produtos. A Telhanorte é um de seus maiores pontos de vendas!

DÚVIDAS MAIS COMUNS - HIDRÁULICA I

Dúvidas Mais Freqüentes no uso de Tubos de PVC

Por Arq. Iberê M. Campos


Os tubos de PVC são usados há décadas na Construção Civil e fazem parte da vida de todos nós. Entretanto, até mesmo alguns profissionais do ramo, com anos de experiência, têm algumas dúvidas sobre o produto e como usá-lo. Lembro-me perfeitamente de quando era criança – há algumas décadas... -- quando as tubulações das obras eram feitas todas em ferro, para a água fria, ou em manilhas de barro e chumbo, para o esgoto. Vivia em um bairro onde existiam muitas obras e era normal para mim assistir à chegada dos encanadores. De cara já instalavam a morsa e preparavam seus cocinetes para fazer as roscas. Depois era preciso cortar milimetricamente os tubos, fazer a rosca com toda a paciência, passar zarcão e estopa para vedar a rosca – ainda não havia aparecido o veda-rosca de teflon – e assim ia sendo montado aquele esqueleto de ferro por onde passaria água.

Quando apareceram os primeiros tubos de PVC foi uma surpresa. Aqueles “caninhos” pareciam tão frágeis, tão descartáveis, quando comparados àquela fortaleza de ferro... Mas quando entrei profissionalmente para o ramo da Arquitetura e Construção pude ver que a realidade era bem o oposto. Tive a oportunidade de reformar algumas daquelas mesmas obras que vi sendo construídas quando adolescente, e constatei que as instalações feitas em tubo de ferro estavam completamente deterioradas, passava apenas um filetinho de água devido às inúmeras incrustações que se acumularam ao longo dos anos. Em comparação, aquelas “frágeis” instalações feitas com PVC estavam muito bem, obrigado. Quando retiradas das paredes estavam perfeitas, alguns tubos pareciam que tinham acabado de ser instalados.

E as tubulações de esgoto, então, feitas com manilhas de barro? Tragédia pura... com o tempo as pequenas goteiras que sempre saiam das juntas foram solapando a terra ao redor causando pequenos buracos que foram se ampliando e com o tempo todo o sub-solo da construção cedeu, levando as paredes junto. Aliás, foi justamente por isto que várias daquelas casas antigas estavam sendo reformadas, para trocar a tubulação de esgoto e reparar as paredes que haviam rachado...

Hoje a realidade das tubulações de PVC na construção é totalmente diferente daqueles tempos iniciais. Atualmente há linhas específicas para cada finalidade, inclusive para água quente, e já se conhece bastante o uso do PVC na construção. Entretanto, mesmo com tanto tempo de convivência, alguns profissionais ainda têm certas dúvidas quanto ao uso não só do PVC como de alguns produtos usados na sua instalação. Confira:

Qual produto remove o excesso de silicone em peças de louças, vidros e outros materiais?
Não há produtos químicos específicos para essa prática. O correto é proteger a região com fitas adesivas para se evitar que o excesso de material se espalhe em local indevido. Quando ocorrer excesso, somente é possível sua remoção após a secagem do produto, utilizando-se de ferramentas cortantes (facas ou lâminas de barbear, por exemplo) para a remoção.

Qual produto pode ser utilizado para remover o adesivo plástico de PVC quando impregnado em tecidos?
Não há nenhum composto químico capaz de remover o adesivo sem danificar a fibras do tecido. Assim, o ideal ao manipular o adesivo plástico é usar roupas descartáveis e forrar carpetes, cortinas e outros tecidos que estejam nas proximidades e que não possam ser estragados.

Qual o tempo de espera para a utilização da tubulação de PVC após a soldagem das juntas?
Recomendamos que as tubulações cujas juntas são executadas com adesivo comum esperem 12 horas para serem submetidas à pressão hidrostática interna. Já aquelas executadas com Adesivo Extra Forte, a espera deve ser de 24 horas.

Qual a pressão que os tubos de esgoto suportam?
Os tubos de esgoto não podem ser submetidos à pressão hidrostática. Conforme a NBR 5688/1999: Sistemas prediais de água pluvial, esgoto sanitário e ventilação ¿ Tubos e conexões de PVC, tipo DN - Requisitos, esses tubos são indicados para escoamentos livres, ou seja, sem pressão, apenas pela ação da gravidade.

Qual a máxima pressão de serviço que os tubos de PVC soldável (marrom) para água fria suportam?
Conforme especificações da NBR 5648/1999: Sistemas prediais água fria ¿ Tubos e conexões de PVC 6,3, 750 Kpa, com junta soldável - Requisitos, esses tubos suportam pressões de 7,5 kgf/cm² ou 75 mca ou 0,75mpa, a uma temperatura de 20°C.

Por que as conexões de PVC para água fria (marrom) apresentam linhas mais escuras em seu corpo, semelhante a uma rachadura?
Esta linha, que aparece na peça exatamente no lado oposto ao ponto de injeção, é a linha que caracteriza o ponto de união da massa de PVC injetado na cavidade do molde da peça durante seu processo de injeção. Em algumas conexões esta linha coincide com a linha de fechamento do molde. A existência dessa linha em nada diminui a resistência das conexões às pressões hidrostáticas internas, sendo uma marca decorrente do processo de injeção e, por isso, visível em todas as conexões existentes no mercado. A visualização dessa linha é mais acentuada em conexões de cor marrom.

Os tubos de PVC podem ser instalados expostos ao sol?
Sim, os tubos e conexões podem ser expostos ao sol sem qualquer risco de perder sua resistência à pressão hidrostática interna. Entretanto, a ação dos raios ultravioletas do sol provocará descoloração (perda de pigmento) das peças. Essa ação provocará um "ressecamento" da superfície externa dos tubos e das conexões e os mesmos ficarão mais suscetíveis a rompimento por impactos externos. Por isto, o ideal é evitar que os tubos de PVC fiquem expostos diretamente ao sol e às intempéries, sua vida útil será muito menor e, cá entre nós, Arquitetos, fica muito feio deixar tubos expostos nas coberturas dos edifícios, denotam falta de organização e improviso... Caso seja realmente necessário, os tubos devem ser pintados com tinta adequada, o que vai aumentar sua resistência (vide item a seguir)

Os tubos de PVC podem ser pintados? Qual o tipo de pintura recomendada?
Os tubos e conexões de PVC podem ser pintados, desde que se utilizem tintas à base de esmalte sintético bastando, para isso, um leve lixamento na superfície de PVC antes da aplicação da tinta. Essa prática é recomendada sempre que os tubos e conexões estiverem expostos ao sol, a fim de evitar-se o "ressecamento" de sua superfície externa pela ação de raios ultravioletas.

O que é Diâmetro Externo (DE) e Diâmetro Nominal (DN) de tubos?
Diâmetro Externo corresponde ao diâmetro externo médio dos tubos, medido em milímetros. Já o Diâmetro Nominal é um simples número que serve como medida de referência para classificação dos tubos, sendo uma referência comercial e que corresponde aproximadamente ao diâmetro interno dos tubos, em milímetros. O Diâmetro Nominal não deve ser utilizado para fins de cálculos.

O que é Classe 15 em um tubo soldável para água fria (marrom)?
É a classe de pressão hidrostática de serviço a que o tubo está limitado, equivalente a 7,5 kgf/cm² ou 75 mca ou 750 Kpa, a uma temperatura de 20° C.

O adesivo de PVC pode ser utilizado para "colar" outros materiais?
Não, o adesivo de PVC deve ser utilizado exclusivamente para a soldagem de PVC. Ele até tem alguma aderência a outros materias plásticos, mas rompem a ligação ao mínimo esforço. O desenvolvimento de colas é uma ciência complexa e que depende muito dos materiais a serem unidos, dificilmente uma cola feita para um material serve em outro.

domingo, 18 de outubro de 2009

10 DICAS PARA UMA BOA NEGOCIAÇÃO!



DEZ Dicas de Ouro da Negociação
Fonte: Revista Seu Sucesso


Não faz muito tempo que a negociação empresarial deixou de ser vista como uma tarefa simplesmente técnica. Herb Cohen afirma que hoje você tem que se posicionar como um solucionador de problemas, procurando entender o comportamento e a cultura das pessoas. O autor do Livro "Você Pode Negociar Tudo" (Ed. Campus/Elsevier), nos mostra as dez dicas de ouro para uma boa negociação:
.
1 COMECE COM AMENIDADES
Inicie a conversa por coisas simples, amenas, como um comentário sobre um filme. Isso ajuda a conhecer o estilo da pessoa, o que a agrada, o que a interessa e, principalmente, o que a incomoda. Aproveite esse momento para prestar atenção em seu interlocutor.

2 TOM AMISTOSO
"O como se negocia é muito mais importante do que o que se negocia". Procure dar à negociação um tom amistoso, mais cooperativo do que competitivo. Seja respeitoso e gentil e procure olhar para as pessoas enquanto falam.

3 FRACIONE A NEGOCIAÇÃO
Divida em partes pequenas e faceis de serem resolvidas o objeto a ser negociado. Deixe para o fim o que for "quantificável" e que tenha mais valor.

4 SEJA FLEXÍVEL

Um exemplo: se a outra parte pede para marcar o encontro de negócios, deixe-a à vontade para escolher o horário e o local. Se você faz uma concessão como essa, na hora de negociar seu interlocutor acabará lhe devolvendo em algum benefício real.

5 DÚVIDA PERSISTENTE

Uma boa saída para situações delicadas é responder a uma pergunta com outra pergunta. A idéia é ganhar tempo pois você não vai ter respostas para todas as perguntas que te fazem. Se for o caso, peça para ir ao banheiro.

6 ADMITA SEUS ERROS
Admita seus erros sem rodeios. Isso não é ruim, pelo contrário: as pessoas costumam confiar mais em quem assume a responsabilidade pelos erros que comete.

7 CONTROLE SUAS REAÇÕES
Ao longo da negociação, existirão momentos de incerteza, dúvidas e ambigüidades. Persista calmamente em seus propósitos e evite discutir o mérito das posições da outra parte.

8 COMPARAÇÃO
Ao fazer suas ofertas, dê bases de comparação para que o interlocutor perceba a vantagem do que está oferecendo.

9 CHEGANDO AO FIM

Ao se aproximar do fim da negociação, faça transigências cada vez menores. Isso indica que o processo está termiando. Em um ambiente competitivo, acredita-se que a melhor oferta seja feita perto do prazo final.

10 TACADA FINAL
Para fechar com chave de ouro o processo de negociação, deixe uma última oferta ou concessão para o minuto derradeiro. As ofertas e concessões costumam ser percebidas de modo tanto mais positivo quanto maior o esforço que a pessoa que as recebeu fez para conquistá-las.

VÍDEO - FILÓSOFO ROCK BALBOA

Simples, mas muitos merecem escutar:  pois a vida é assim, temos de ter coragem de encara-lá e enfrentar todos os seus desafios.Lembra uma antiga frase que sempre uso: OU VOCÊ É A ESTRADA, OU É O TRATOR. E aí: qual dos dois você vai ser? 


NOVO PADRÃO DE TOMADAS - TIRE SUAS DÚVIDAS

Perguntas e Respostas sobre os novos Plugues e Tomadas


1) Por que o Brasil precisa de um padrão?

Hoje, no Brasil, existem mais de dez modelos de plugues diferentes e quantidade semelhante de tomadas, gerando uma situação de risco de choque elétrico ao usuário (conforme ilustrado na figura abaixo) e de sobrecarga na instalação elétrica (conexão de aparelhos projetados para tensões e correntes diferentes da tomada) e desperdício de energia, através da dissipação de calor (uso de adaptadores inadequados para conectar muitos equipamentos em uma única tomada). O padrão é sinônimo de segurança.




2) Por que o Brasil não adotou o padrão internacional de plugues e tomadas?

Porque o padrão internacional não existe. Cada país desenvolveu o seu próprio padrão, impossibilitando a criação de um padrão único. O padrão estabelecido no fórum da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT foi desenvolvido considerando a conectividade com os plugues hoje existentes. O padrão é conectavel com 80% dos aparelhos elétricos atuais.
Alguns países possuem um padrão: Argentina, Uruguai, Estados Unidos, Canadá, México Chile, França, Portugal, Espanha, Itália, Suíça, Japão, Austrália, entre outros. Cada um deles adota um padrão diferente.
3) Quais são as vantagens do padrão?

Com a tomada padrão, em novo formato de poço, sextavada (talhada em seis faces), os consumidores, principalmente as crianças, não correrão mais o risco de tomar choques elétricos. Outras vantagens são a de que o padrão promove a adaptação de voltagens diferentes que existem, hoje, em nosso país e ajuda a combater o desperdício de energia.
4) Mas como funciona o formato padrão?

No formato atual (sem o poço), no momento do encaixe do plugue na tomada, o usuário entra em contato com os pinos do plugue, que estão em contato com a parte viva da tomada, o que acarreta o risco de tomar choques elétricos, conforme demonstra a ilustração abaixo:



Com o padrão o consumidor não correrá o risco de tomar choques no momento da conexão do plugue com a tomada, pois o contato acidental com o dedo não é possível, conforme ilustram figuras a seguir:




5) Vou ter que mudar todas as minhas tomadas de casa e vou ter que comprar produtos com plugues novos?

Não. A mudança não é drástica, uma vez que a maioria dos plugues de dois pinos comercializados em aparelhos eletroeletrônicos, fabricados no Brasil nos últimos anos, já se encontra adequada ao novo padrão, mostrando que o mesmo é totalmente compatível com a tomada atual.
6) Quer dizer que os plugues novos vão encaixar nas tomadas atuais?

Sim. As dimensões e as distâncias entre os furos (pólos ) da tomada padrão permitem o encaixe (a inserção) de plugues redondos com o formato atual em mais de 80 % (oitenta por cento) dos aparelhos atualmente comercializados, garantindo a conectividade dos plugues e as tomadas atuais com os plugues e tomadas padrão.
7) Mas o que vou fazer com os 20 % (vinte por cento) dos aparelhos que atualmente não são contemplados com a conectividade?

Para a conexão desses aparelhos, será necessária a utilização de adaptadores. Mas ressaltamos que, para estes casos, o ideal é trocar a tomada.
O Inmetro ciente da utilização de adaptadores, elaborou o Regulamento de Avaliação da Conformidade - RAC, que tornará compulsória a certificação desses produtos.
8) Quando vou perceber as mudanças?

A maior mudança para os consumidores ocorrerá a partir de 2010, quando aparelhos como geladeira, máquina de lavar roupa e microondas, que necessitam de incorporação do condutor-terra, apresentarão o plugue de três pinos. Para esses casos, o consumidor terá que trocar a sua tomada. Nos demais, a troca da tomada será feita a medida que consumidor julgar necessário, uma vez que o plugue padrão de dois pinos é compatível com a tomada atual.
9) Aquele fiozinho que tem pendurado atrás da minha geladeira, vai desaparecer?

Sim. Aquele fiozinho, da geladeira e de vários outros eletrodomésticos, que a grande maioria das pessoas nem sabe para o que serve, tem a mesma função do chamado "3° pino" dos plugues e tomadas do padrão brasileiro: aterrar o equipamento. Só que, como as construções não ofereciam aterramento, o fio ficava sem função. Agora, o fio desaparece e o aterramento será feito através do plugue e da tomada com 3 pólos.
10) Mas o meu prédio não tem aterramento?

Especialmente no caso daqueles produtos que necessitam do fio terra, tais como refrigerador, microondas e máquina de lavar roupa, o benefício total do plugue padrão só será totalmente alcançado se o consumidor trocar a tomada na qual vai conectar especificamente esses aparelhos, para fazer o devido aterramento. Aos poucos, com o passar dos anos, mais e mais construções estarão com o aterramento, mais e mais pessoas terão os benefícios desse aspecto do padrão brasileiro de plugues e tomadas.
11) Estou pensando em construir uma casa. Vou ter que fazer o aterramento?

Sim. A Lei 11.337, de 26 de julho de 2006, determina que todas as novas edificações precisam ter o aterramento da rede elétrica. Aproveite e já instale a tomada padrão. Você estará construindo a sua casa com muito mais segurança. A segurança não é só do consumidor, mas também das instalações.
12) Mas o que ocorrerá com as outros tomadas e plugues?

Atualmente, existem mais de dez tipos de tomadas e plugues no país, e com o padrão além impedir o risco de choques no momento do encaixe do plugue na tomada, o consumidor não ficará sujeito a essa confusão atual.




Plugues e Tomadas
13) Pelo visto essa mudança vai ocorrer de forma muito tranqüila, sem causar nenhum transtorno para os consumidores, para a indústria eletroeletrônica ou da construção civil?

Sim. Com a ampla divulgação do padrão brasileiro, isto vai acontecer de forma tranqüila como a esperada. Todos os técnicos das partes envolvidas trabalham tentando ao máximo reduzir os impactos que uma mudança desta magnitude poderia gerar para os consumidores, para a indústria e também para os varejistas que vendem plugues e tomadas. A mudança é para valer. Todo este esforço tem um só objetivo: aumentar a segurança dos usuários de plugues e tomadas, reduzindo o risco de choques. A frase é antiga, mas vale: uma grande caminhada começa com o primeiro passo. 

sábado, 17 de outubro de 2009

DICAS PARA SUA CONSTRUÇÃO-REFORMA

Aprenda a calcular o material para sua obra     

                                   
Na hora de calcular a quantidade de material a ser utilizada na obra, seja construção ou reforma, arquitetos, engenheiros e técnicos são unânimes: é preciso prever bem as perdas – que ocorrem do transporte ao manuseio. O cálculo evita desperdício e a dor de cabeça de ter de voltar à loja para comprar mais e correr o risco de não encontrar o produto, em falta ou já fora de linha.

A maioria dos especialistas aponta uma margem de segurança de 10%, mas nem todos os materiais aceitam esse índice. "É uma boa margem para tijolos, telhas e blocos de concreto", afirma o arquiteto Carlos Augusto Faggin, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade de São Paulo (USP).

Mesmo para aqueles materiais em que a margem é aplicável, existem muitas situações que podem aumentar ou diminuir a quantidade necessária. Áreas com pisos e azulejos estampados, por exemplo, consomem mais peças, pois pedem mais recortes para compor os desenhos. Já as áreas de grande dimensão terão perda menor, pois haverá menos recortes.

São detalhes que podem complicar a obra. Por isso, é bom consultar um arquiteto ou um engenheiro. "É preciso fazer um projeto e discuti-lo bem antes de fazer as compras", diz o engenheiro Nelson Ferraz, coordenador da Divisão Técnica de Gerenciamento de Empreendimentos do Instituto de Engenharia. Confira:

Telhas de barro

Como têm grande variação de tamanho, até de uma região para outra, o cálculo fica mais difícil. O professor Carlos Augusto Faggin, da FAU-USP, dá uma dica bastante prática: monte no chão 1m² com as telhas e veja quantas foram necessárias. Aplique a "folga" de 10% a mais, depois de calcular o total necessário para a área do telhado. Mas é preciso não se esquecer da inclinação do telhado: quanto maior a inclinação, maior será o número de telhas gastas.

O engenheiro Jorge Saback Filho, gerente de Obras de Residências da Archiplanta, faz um alerta: o grande problema das telhas de barro é sua qualidade. Peças ruins terão perda maior e a margem de 10% pode não ser suficiente.

Azulejos
Calcule a área real, isto é, desconte portas e janelas. A Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica (Anfacer) recomenda uma margem de 10% a mais no cálculo. Mas lembre-se de levar em consideração se as peças são lisas ou estampadas – estas têm perda maior, pois será preciso encaixar os desenhos.

Os azulejos são usados em áreas que geralmente requerem manutenção, principalmente por causa das instalações hidráulicas. É bom já calcular uma pequena sobra para estoque de pelo menos uma caixa, para reparos futuros, pois encontrar a mesma tonalidade de cores é quase impossível, mesmo para as peças mais simples, e as cerâmicas saem facilmente de linha.

Pisos
Deve-se levar em conta o tamanho das placas e da área. "Quanto maior a dimensão da placa, maior é a perda", explica o professor Faggin, da FAU. Para peças de até 15 cm, ele recomenda uma margem de segurança de 5%; e para de 30 cm ou mais, de 10%. Em contrapartida, áreas maiores terão perda menor, pois haverá menos recortes. Como no caso dos azulejos, é melhor ampliar a margem de folga se as peças forem estampadas.

Pisos postos em diagonal também têm mais recortes e, portanto, maior consumo, lembra Saback Filho, da Archiplanta. Para áreas com até 10m², o engenheiro aconselha 20% a mais para colocação reta e 35% para em diagonal. Áreas superiores devem ter margem de 10% e 20%, respectivamente. É aconselhável ter um estoque, para manutenção futura, de pelo menos uma caixa. O rodapé, se feito do corte do piso, deve ser calculado separadamente. Saiba que uma placa fará duas unidades de rodapé, pois o "miolo" vai apresentar "rebarbas" indesejáveis.

Tijolo baiano ou de barro maciço

O cálculo depende do tamanho do tijolo e da largura da parede. O melhor é seguir a instrução do fabricante ou fornecedor e aplicá-la sobre a área, lembrando-se do índice de 10% a mais como prevenção. Saback Filho, da Archiplanta, dá uma dica: "Devemos levar em conta toda a área da parede, ou seja, não dar desconto em portas, janelas e outros vãos.”

No caso de uma parede de tijolos maciços que ficam à vista, um ponto importante são os cantos externos. "Alguns fabricantes já fornecem os tijolos cortados para serem colocados nesses cantos, diminuindo assim as perdas", explica o engenheiro.

Bloco de concreto
Tem tamanho variado, portanto ‚ melhor seguir a indicação do fabricante ou fornecedor. O arquiteto Faggin, professor da USP, aconselha aplicar a margem de 10% de sobra.

Cimento
Como tem "vida curta" – começa logo a empedrar –, o principal fator a ser considerado no cálculo da quantidade é o tempo. "Não se deve comprar cimento para muitos dias", explica Nelson Ferraz, coordenador da Divisão Técnica de Gerenciamento de Empreendimentos do Instituto de Engenharia. Segundo ele, é melhor comprar o suficiente para usar em 15 dias, já que nem sempre as condições de armazenamento na obra são as ideais.

Argamassa
Para assentamento de tijolos, a média é de 10 a 14 quilos por metro quadrado e depende do tipo de tijolo. Para uso em revestimento (que tem um tipo específico: o cimento e cola), é de 5 quilos por metro quadrado.

Tinta

O rendimento varia de marca para marca, do tipo utilizado (PVA, acrílica, elástica, etc...) e da quantidade de demãos que serão necessárias para a cobertura perfeita da superfície. O melhor a fazer é consultar as instruções do fabricante contidas no produto e calcular a área a ser pintada (altura x largura) descontando-se os vãos, como portas e janelas. Alguns fabricantes informam uma fórmula básica para descobrir quantos galões de tinta serão necessários. Adote a equação abaixo para tintas, fundos e massas, sem esquecer que o consumo por metro quadrado pode variar em função da porosidade da superfície e da técnica a ser empregada.

Consumo de galões = metragem quadrada X número de demãos
rendimento por galão informado pelo fabricante

Para evitar desperdícios, o engenheiro Saback Filho aconselha deixar a pintura para a última etapa. "A pintura é o último passo de uma obra ou reforma, portanto deve ser iniciada apenas quando não há mais nenhum serviço a ser executado", diz. Isso evita a perda com retoques ou outras demãos se houver necessidade de fazer a mudança, por exemplo, de um ponto elétrico.
Cimento e areia

    Verifique o prazo de validade na embalagem do cimento, evitando adquiri-lo com muita antecedência. É comum esse material empedrar ao ficar muito tempo guardado, além de estar sujeito ao comprometimento de sua qualidade, em função de condições desfavoráveis de armazenamento.

    A areia pode ser grossa, fina ou misturada e deve ser adquirida de acordo com a necessidade da obra. Pode ser vendida em grandes quantidades, por metro cúbico, ou em pequenas embalagens plásticas. Evite comprar areia quando ela estiver úmida, pois isso pode alterar a sua quantidade. Verifique também se não há terra ou pó de serragem misturados à areia, o que poderá provocar problemas na obra.

Tijolo e bloco     Tijolos e blocos possuem medidas específicas que podem ser obtidas junto ao IPEM (Instituto de Pesos e Medidas).

Material hidráulico


    Consulte um encanador para saber quais são os produtos mais adequados para sua casa. Certifique-se de que as conexões adquiridas sejam adequadas às tubulações, para evitar problemas. Atenção para as metragens: algumas lojas fornecem o preço do metro, mas somente comercializam barras inteiras, com 3 ou 5 metros.

Lajes
    Verifique se as vigas têm a identificação e as marcas do fabricante para facilitar a montagem. Solicite o manual de instruções e observe se as medidas são adequadas para o tipo de construção.

Dispositivos elétricos: fusíveis, disjuntores, fios, cabos, interruptores, etc.

    Saiba que esses materiais devem conter o nome do fabricante bem como a tensão a que se destinam. As partes condutoras de energia elétrica devem ser de cobre ou liga de cobre, não podendo conter material ferroso. A presença de material ferroso no produto pode ser testada através de um imã. Somente os parafusos, rebites, ilhoses, pinos, molas e dispositivos destinados exclusivamente à fixação das partes condutoras ao corpo do produto, ou do condutor ao terminal, podem ser desse material.

Orçamento

    Solicite informações referentes a: formas de pagamento, taxas de juros aplicadas, descontos para preço à vista, prazo de entrega, cobrança ou não de frete.

Entrega do material na obra

   
Confira todo o material, inclusive quantidades e valores. Caso haja irregularidades, não aceite o produto nem assine o recibo. Faça uma observação no verso da nota fiscal. Entre em contato com a loja para resolver a questão. Caso não possa estar no local para receber o produto, oriente o responsável, pedreiro, parente, vizinho, a agir dessa forma. Não solucionando o problema, recorra a um órgão de defesa do consumidor de sua cidade ou encaminhe carta à Fundação Procon-SP.

Seus direitos

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor:
  • Os produtos devem assegurar informações corretas e precisas sobre suas características, qualidade, quantidade e prazo de validade, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores. A oferta deve assegurar informações claras sobre o valor à vista, total a prazo, número de parcelas, taxa de juros aplicada e demais encargos;
  • Se o produto comprado apresentar problemas ou se o conteúdo líquido não estiver de acordo com as indicações constantes da embalagem ou da mensagem publicitária, e isto não for solucionado em até trinta dias, o consumidor poderá exigir a substituição do produto, ou a restituição da quantia paga, ou o abatimento proporcional do preço ou a complementação do peso ou da medida;
  • No caso de venda de produtos por telefone, telemarketing, etc., lembre-se de que você pode desistir da compra em um prazo de até sete dias, a contar da data do recebimento do produto.
ATENÇÃO: denuncie estabelecimentos que comercializem produtos em desacordo com as normas técnicas. Exija nota fiscal

O ACABAMENTO

    O consumidor depara-se com um grande número de opções no mercado destinadas ao acabamento de uma construção. A pesquisa de preços é muito importante e a compra de alguns itens requer cautela.

Pisos e azulejos

    Verifique com cuidado a metragem da área onde vão ser aplicados esses produtos. Cheque na embalagem a metragem, o número do lote, a cor e o tamanho, que devem ser os mesmos em todas as caixas. Por precaução, compre sempre um pouco a mais, que servirá de reserva.

Louças e metais

    Verifique se na embalagem constam o nome do fabricante, CGC, endereço, bem como as instruções de instalação e uso. Fique atento às medidas dos produtos, que devem ser compatíveis com as da área onde serão instalados.

Tintas

    Observe o tipo de tinta mais adequado para o local onde será aplicada e seu prazo de validade. Consulte um profissional da área para orientá-lo sobre a quantidade necessária, evitando o desperdício. Esteja atento ao código da cor e da tonalidade da tinta, caso haja a necessidade de adquiri-la novamente para futuros reparos.

Lâmpadas, lustres e luminárias

    As lâmpadas devem conter, no vidro, a indicação da potência, da corrente nominal, além do nome ou logotipo do fabricante.

    A voltagem das lâmpadas deve ser compatível com a do local em que serão utilizadas. Cheque com a rede concessionária da região. Lembre-se: as lâmpadas fluorescentes duram mais e economizam energia. São indicadas para áreas de grande circulação, como cozinha, área de serviço, garagem, banheiro, etc.

Produto fora de linha


   Produtos como pisos, azulejos e louças sanitárias costumam sair de linha com muita freqüência. Produtos fora de linha representam um risco para o consumidor caso haja a necessidade de reposição do mesmo. Avalie bem a vantagem da compra.

Saiba que...
  • Existem órgãos oficiais e entidades credenciadas competentes para expedir normas técnicas e certificar produtos: ABNT, INMETRO, IPT, etc.;
  • Os seguintes produtos possuem certificação obrigatória: fusível tipo rolha, cartucho (CONMETRO), fio e cabo isolado até 750V (INMETRO);
  • Caso o produto adquirido venha a apresentar um vício oculto, defeito que não pode ser constatado aparentemente ou de imediato, é seu direito reclamar. Nessa situação, o prazo inicia-se a partir da constatação do problema.
Seus direitos:

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor:
  • A embalagem do produto deve conter, de forma clara, correta e em língua portuguesa, as características do produto, o prazo de validade, o nome do fabricante e os cuidados e os possíveis riscos que apresentem a sua saúde e segurança. A oferta deve assegurar informações claras sobre o valor à vista, o total a prazo, o número de parcelas, a taxa de juros aplicada e demais encargos;
  • Se o produto comprado apresentar problemas ou se o conteúdo líquido não estiver de acordo com as indicações constantes da embalagem ou da mensagem publicitária, e isto não for solucionado em até trinta dias, o consumidor poderá exigir a substituição do produto, ou a restituição da quantia paga, ou o abatimento proporcional do preço ou a complementação do peso ou da medida;
  • No caso de venda de produtos por telefone, telemarketing, etc., lembre-se de que você pode desistir da compra em um prazo de até sete dias, a contar da data do recebimento do produto.
ATENÇÃO: denuncie estabelecimentos que comercializam produtos em desacordo com as normas técnicas. Exija a nota fiscal!


SIMULADORES E SUPER PLANILHAS PARA VOCÊ

http://vocesa.abril.com.br/servicos/calculadoras-e-simuladores/calculadoras-e-simuladores.shtml
Clique neste link e você será direcionado para a página da revista VOCÊ/SA para baixar arquivos (em segundos) super úteis para a vida financeira e profissional: controle de orçamento doméstico, calculadora de aposentadoria, simulação de poupança, comprar ou alugar e muito mais! Aproveite estas ferramentas gratuitas. 

TEXTO MARAVILHOSO - LEIA ATÉ O FIM VALE A PENA!

Trabalhe! (Motivação)

Este texto foi escrito por Nizan Guanaes, um dos mais consagrados publicitários brasileiros, na condição de paraninfo de uma turma que se formava pela FAAP-SP
.
Dizem que conselho só se dá a quem pede. E, se vocês me convidaram para paraninfo, estou tentado a acreditar que tenho sua licença para dar alguns. Portanto, apesar da minha pouca autoridade para dar conselhos a quem quer que seja, aqui vão alguns, que julgo valiosos:
Meu Primeiro Conselho: Não paute sua vida, nem sua carreira, pelo dinheiro. Ame seu ofício com todo o coração. Persiga fazer o melhor. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como conseqüência. Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser um grande bandido, nem um grande canalha.
Napoleão não invadiu a Europa por dinheiro. Hitler não matou 6 milhões de judeus por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro. E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham.
Porque são incapazes de sonhar. E tudo que fica pronto na vida foi construído antes, na alma. A propósito disso, lembro-me de uma passagem extraordinária, que descreve o diálogo entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar daqueles leprosos, disse:
- Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo.
E ela responde:
- Eu também não, meu filho.
Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar em realizar tem trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.
Meu segundo conselho: Pense no seu País. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si. Afinal é difícil viver numa nação onde a maioria morre de fome e a minoria morre de medo. O caos político gera uma queda de padrão de vida generalizada. Os pobres vivem como bichos, e uma elite brega, sem cultura e sem refinamento, não chega a viver como homens. Roubam, mas vivem uma vida digna de Odorico Paraguassu. Que era ficção, mas hoje é realidade, na pessoa de Geraldo Bulhões, Denilma e Rosângela, sua concubina.
Meu terceiro conselho: vem diretamente da Bíblia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito. É exatamente isso que está escrito na carta de Laudiceia: seja quente ou seja frio, não seja morno que Eu te vomito. É preferível o erro à omissão. O fracasso, ao tédio. O escândalo, ao vazio. Porque já vi grandes livros e filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso.
Colabore com seu biógrafo. Faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido. Tendo consciência de que cada homem foi feito para fazer história. Que todo homem é um milagre e traz em si uma revolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado, para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, e caminhar sempre, com um saco de interrogações na mão e uma caixa de possibilidades na outra.
Não use “Rider”, não dê férias a seus pés. Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: “eu não disse!”, “eu sabia!” Toda família tem um tio batalhador e bem de vida. E, durante o almoço de domingo, tem que agüentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo que ele faria, se fizesse alguma coisa.
Chega dos poetas não publicados! Empresários de mesa de bar. Pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta de noite, todo sábado e domingo, mas que na segunda não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, porque não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.
Eu digo: trabalhem, trabalhem, trabalhem. Das 8 às 12, das 12 às 8 e mais se for preciso. Trabalho não mata. Ocupa o tempo. Evita o ócio, que é a morada do demônio, e constrói prodígios.
O Brasil, este país de malandros e espertos, dá vantagem em tudo, tem muito que aprender com aqueles trouxas dos japoneses. Porque aqueles trouxas japoneses que trabalham de sol a sol construíram, em menos de 50 anos, a 2ª maior mega-potência do planeta. Enquanto nós, os espertos, construímos uma das maiores impotências do trabalho.
Trabalhe! Muitos de seus colegas dirão que você está perdendo sua vida, porque você vai trabalhar enquanto eles veraneiam. Porque você vai trabalhar, enquanto eles vão ao mesmo bar da semana anterior, conversar as mesmas conversas, mas o tempo, que é mesmo o senhor da razão, vai bendizer o fruto do seu esforço, e só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão. E isso se chama SUCESSO!”
.

COLOQUE EM PRÁTICA E NINGUÉM IRÁ TE SUPERAR

Para ser o número 1, em 10 lições:

JÁ PENSOU SE TODO GERENTE FOSSE ASSIM?



nunca mais reclame do seu chefe...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

IMPERMEABILIZANTES - DÚVIDAS.







  • Lajes vazando

O vazamento de água de chuva pela laje de cobertura é um dos problemas mais comuns numa casa. Além do prejuízo material provocado pela umidade, como manchas, pintura descascando e reboco desgrudando, o mofo que se forma prejudica a saúde, pois causa alergias e problemas respiratórios. As infiltrações pelas lajes ocorrem porque elas trabalham, isto é, sofrem retração e dilatação, causando fissuras e trincas que permitem a passagem da água. Por isso, a melhor maneira de evitar ou corrigir este problema é aplicar uma impermeabilização flexível, que acompanhe a movimentação das lajes sem se romper. Aqui você vai ver que, produtos de fácil aplicação, usados corretamente, eliminam os vazamentos das lajes.

Como evitar (construção)

Os cuidados com a impermeabilização das lajes devem ser tomados desde o início da obra. É a forma mais simples, econômica e eficiente de se evitar problemas futuros com vazamentos.

1.Eliminar eventuais trincas com Neutrol e Carbolástico 2. Regularizar a laje com argamassa de cimento: areia (traço1:4) e Vedacit, dando caimento mínimo de 1% na direção dos ralos. Os rodapés devem ser arredondados, em forma de meia cana.

2.Vedapren é aplicado com rodo, broxa ou vassoura de pelo macio, como se fosse uma pintura, em 3 a 4 demãos. A impermeabilização deve subir 20 cm nos rodapés e descer também 20 cm nos ralos. Lajes fissuradas ou sujeitas à vibração devem receber uma tela de poliéster (Vedatex), entre a primeira e a segunda demão de Vedapren.

3.A impermeabilização deve ser protegida do tráfego e dos raios solares, com argamassa ou com o próprio piso. Se não houver tráfego, a proteção pode ser feita com Vedapren Branco.

Como corrigir (obras prontas)

Depois da obra pronta podem surgir problemas de vazamentos de lajes, possíveis de serem solucionados, porém a um custo maior e com evidentes prejuízos e transtornos aos moradores.

1.Se houver contrapiso na laje, removê-lo e tratar as trincas como foi explicado no item 1, na página ao lado. Retirar o revestimento das paredes até a altura de 20cm para pemitir que a impermeabilização suba pelos rodapés. Regularizar a laje com argamassa impermeabilizada com Vedacit (cimento/areia, traço 1:4).

2. Aplicar Vedapren conforme foi explicado no ítem 2, acima.

3.

Proteger a impermeabilização conforme foi explicado no ítem 3, ao lado. A impermeabilização de áreas não sujeitas a tráfego pode ser feita apenas com Vedapren Branco, em 6 demãos, o qual dá um ótimo acabamento, evita a ação dos raios solares e diminui a absorção de calor.

Antes de se decidir pela impermeabilização, verificar se os vazamentos não provêm de telhas quebradas, caixas d’água vazando, calhas ou ralos entupidos.

Os serviços de impermeabilização requerem conhecimentos específicos, portanto recomenda-se que sejam executados por profissionais habilitados.

DÚVIDAS FREQUENTES - IMPERMEABILIZANTES

São tantos produtos impermeabilizantes, que muitas vezes, ficamos sem saber dar a resposta correta para perguntas que surgem no dia-a-dia. Temos o produto certo em nossa loja, mas não indicamos para o cliente com medo, por não termos a informação adequada. Hoje são inúmeros produtos específicos e lançamentos para diversos tipos de problemas, sendo o maior deles os males causados pela infiltração. Sempre que possível postaremos algumas dicas para ajudar a resolver nossas dúvidas.







Rodapés Úmidos

É muito comum aparecer umidade nos rodapés. Isso acontece porque a umidade natural do solo sobe pelo alicerce e se infiltra pelas paredes, sem você perceber. Aí começam a aparecer os problemas: manchas e bolhas na pintura, reboco desgrudando, mofo e o apodrecimento dos rodapés de madeira e dos carpetes. Além do prejuízo para o seu bolso, essa umidade faz mal à saúde, causando problemas respiratórios e alérgicos. Aqui mostramos como evitar ou como corrigir os rodapés úmidos.

Como evitar (construção)

A forma mais simples, eficiente e econômica de ter uma casa seca e saudável é impermeabilizar a obra desde o alicerce, usando Vedacit na massa de assentamento e de revestimento.

Vedacit é garantia de impermeabilização definitiva, pois age dentro da massa e não superficialmente como uma pintura.
Por isso é que se diz: com Vedacit na massa, a água não passa.

1.Prepare a massa impermeável com Vedacit no seguinte traço:

2.Cubra o alicerce com uma camada de massa impermeável, com 1,5 cm de espessura e descendo 15 cm pelas laterais.

3.Espere secar e pinte com duas demãos de Neutrol.

4. Use massa feita com Vedacit para levantar as paredes até a 3ª fiada. A mesma massa deve ser usada para o revestimento interno e externo até 1 metro de altura.

Como corrigir (obras prontas)

Se a impermeabilização do alicerce não foi feita no início da obra, como foi explicado, depois poderão surgir problemas de umidade no rodapé.

Nesse caso será preciso recuperar as áreas afetadas, uma tarefa que traz excelentes resultados quando é feita com Vedajá.

Veja, passo a passo, como proceder.

1.Remova 1,5m de altura, do revestimento a parede até chegar na alvenaria. Limpe com escova e umedeça, antes de aplicar Vedajá.

2.Misture o conteúdo do componente B (líquido) com o conteúdo do componente A (pó) na própria embalagem.

3.Aplique Vedajá em 3 demãos cruzadas, esperando a completa secagem de cada uma, antes de aplicar a seguinte.

4.Após chapiscar, refazer o revestimento, usando massa preparada com Vedacit, conforme descrito anteriorment

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

PARA "ENTENDER" MELHOR O BLOG - CONSTRUIR -REFORMAR

Amigos, o blog publica dicas próprias e dos principais sites de construção civil do país, além de textos de motivação e tudo que está relacionado com o mundo das vendas! Como gerente de vendas da maior rede de material de construção do país TELHANORTE, este espaço é para reflexão, e para tirar dúvidas que possam surgir, tanto do nosso maior tesouro: nosso cliente, quanto de nosso maior caçador de tesouros: nosso vendedor. Abraço a todos, curtam a vida!

Só para lembrar: no canto esquerdo do blog está relacionado todas as notícias mais atuais sobre construção civil, nossa empresa e nosso grupo, além de vídeos relacionados com o tema.

Produtos sustentáveis


Produtos Economizadores

Seguindo a tendência mundial de aplicar tecnologia de ponta em produtos hidráulicos e sanitários, a Deca fabrica sua própria linha ecológica, para economia de água e energia elétrica com requinte e elegância. O uso de produtos que têm a garantia e qualidade DECA proporciona uma menor e mais fácil manutenção das instalações hidráulicas, bem como uma maior durabilidade.

A linha profissional da Deca é composta pelas linhas Decalux, Decamatic e Decamatic Eco, todas compostas de torneiras e válvulas de mictório voltadas especialmente para e economia de água e para utilização em uso público.
A linha Decalux possui o sistema elétrico ou bateria, sendo acionada automaticamente por sensor, com um potencial econômico de até 75% para as torneiras e de até 80% para as válvulas de mictório em relação a produtos convencionais. Alem disso é muito econômica e trazem higiene e conforto aos usuários.
A linha Decamatic e Decamatic eco são acionadas através de um leve toque e possuem fechamento automático, com potencial econômico de até 55% para as torneiras e de até 80% para os mictorios se comparados a produtos convencionais. Ambas as linhas são compostas por dispositivos economizados trazendo alem de economia, conforto com tecnologia de ponta aos usuários.
A Deca também possui a linha de restitores de vazão constante, podendo ser utilizados nos chuveiros com aquecimento central* e nas torneiras. Os restritores podem ser encontrados nas versões de 8, 14 e 16 litros por minuto e devem ser utilizados com pressão superior a 10 m.c.a . O potencial econômico dos restritores dependem da vazão atual do chuveiro utilizado, podendo chegar até 80%. Ainda na linha de torneiras também há a possibilidade de instalação dos restritores de vazão constante de 6 litros por minuto e devem ser utilizados a com pressão superior a 10 m.c.a . O potencial econômico também depende da torneira atualmente utilizada, podendo chegar até 60% de economia.
No segmento de louças sanitárias recomendamos a troca das bacias antigas por bacia novas, que são mais econômicas e podem chegar até 50% de economia.
Independente do sistema de descarga, caixa acoplada ou válvula de descarga as bacias consumem em torno de 6 litros por acionamento e alem disso a troca das bacias é muito simples e sem quebra-quebra. Para o sistema de caixa acoplada é necessário trocar a bacia com a caixa; já para o sistema de válvula de descarga é necessário trocar apenas a bacia e fazer a regulagem da válvula de descarga. Apenas verifique se á necessário trocar os produtos complementares, como: parafusos de fixação, anel de vedação, flexível para caixa acoplada e tubo de ligação para bacias convencionais.
Verificar também a linha de termostato Decaterm e também as linhas de monocomando para chuveiro, que proporcionam maior conforto e economia de água.